Terça-feira, 31 de Janeiro de 2006

...


entardecer.jpg

Sempre, aos domingos.

Abraçados, eu e estes restos de tarde

num conluio de silêncios a espreitar

do fogo e do azul a folia.

Queda-se ainda o olhar turvo

na fresta do sobejo do dia

à hora do manto da rainha.

Muito ao longe, dobram os sinos

pela morte do dia, e nós aqui,

de coração atado entre-portas,

enfiamos contas incertas e floridas

no colar de nós de tempo.

Estremece a fé nestas horas de lume e prata

e contudo, incorpóreos,

desfiamos o rosário da vida.

No chão de urze das almas inquietas

chovem às vezes pétalas de ternura

oferenda de um resto de Deus

para o caminho.....onde as mãos

se abrem a outras mãos,

e são lenha a crepitar na fogueira,

a oração muda entoada num só peito.

Antes da palavra, rolará uma lágrima

pelo abraço que se sabia.

Antes da Palavra e do Verbo

as almas cansadas pisarão o mosto,

amassarão o sonho..

e no silêncio cumprirão a profecia!

À mesa sempre posta da vida...levarão o pão e o vinho.

 

 

 Autor@: Dolce-Fare-Niente
</blockquote>
publicado por igara às 11:54
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2006

Um grito de Silêncio...


crying darkness.jpg

 

Tenho na alma o silêncio de mim. Falo, grito, brinco... mas o silêncio que se combate dentro de mim, é tão maior, tão mais intenso...Escuto com atenção todos os sinais da sua libertação. Mas não o consigo libertar. Não consigo combater este silêncio, tão mais poderoso, tão mais forte do que a minha vontade.... De que adianta lutar, debater-me desesperadamente... se o silêncio permanece impávido... sereno, e tão desconfortavelmente inquietante.... Mas porque existe este silêncio em mim? Que silêncio é este que provoca a solidão da minha alma? Que silêncio pode ser tão grande, que ousaria roubar-me o espirito? E se este silêncio vencer o meu desespero aprisionando-me perpetuamente dentro de mim? Espero um dia gritar, gritar alto, muito alto, fazer ouvir a minha liberdade... Abrir os braços, respirar fundo e poder dizer: Hoje deixei de ouvir, o grito do Silêncio...

 

Autor@: A.Feiticeira

</blockquote>
publicado por igara às 11:31
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2006

Não há silêncio para quem ama

300px-Lake_mapourika_NZ.jpg


Acaso já sentiste


O silêncio em meu peito?


Ou quando dormes em meu leito


Já sentiste solidão?


 


Acaso já sentiste


O silêncio profundo do mar?


Ou quando escutas o seu ondular


Te surpreende a emoção?


 


Acaso já sentiste


O silêncio das mais belas roseiras?


Ou as intensas fragrâncias que cheiras


Parecem nunca se calar?


 


Acaso já sentiste


O silêncio de estar extasiado?


Ou o teu pulso bate descompassado


Sendo quase ensurdecedor?


 


Acaso já sentiste


Que o silêncio não existe?


Pois se o nosso amor resiste


A tudo o que viveste, choraste, sentiste,


Ninguém o  poderá silenciar!


 

publicado por igara às 15:34
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

          Escutando o Silêncio


PONTE.jpg
[Error: Irreparable invalid markup ('<font <center>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]


<CENTER><IMG height=330 alt=PONTE.jpg src="http://bloguiando.blogs.sapo.pt/arquivo/PONTE.jpg" width=360 border=0> <FONT <CENTER><FONT color=#336633 size=4><STRONG><EM></EM></STRONG></FONT> </CENTER>
<DIV align=center><FONT color=#336633 size=4><EM></EM></FONT> </DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633><EM></EM></FONT> </DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633><EM>   <FONT size=4>     </FONT></EM><FONT size=4><STRONG> </STRONG></FONT><FONT size=3> Ela sempre tinha entendido os silêncios. Aprendera a entender as palavras que não se diziam. Sempre lidara com as ausências e com meias palavras, não sentindo nisso constrangimentos nem perdas. Não entendia este mau estar súbito que este silêncio lhe trazia. </FONT></FONT></DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633></FONT> </DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633>          O dia prometia chuva, o céu cerrado, fazia antever um dia húmido. Mas a necessidade de se evadir, foi maior que os receios de ser apanhada pelas fortes bátegas. Saiu, sem destino, confiando que algo a levaria a algum lado, não importava qual, nem importava como. Caminhou apenas.... </FONT></DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633>Deparou com um banco, de pedra, ladeado por buganvílias, com vista para o Tejo. Aquele era o lugar, aquele era o destino dos seus passos. Sentou-se e demorou-se na paisagem, fitou cada pessoa que passava, tentando adivinhar pensamentos, tentando discorrer sentidos. Deixou-se envolver em pensamentos mansos, sentia alguma paz, por fim! Não havia passado muito tempo, ele chegou! Chegou e sentou-se a seu lado. Ela conhecia-o bem. Sabia que o tremor que ele sentia, nada tinha a ver com o frio. Ela sabia quando ele evita olhá-la nos olhos...sentia-lhe a Alma como ninguém! Ele tentou algumas palavras: “Desculpa, nada disto devia de ser assim....nunca nos devíamos ter achado...”. Ela, que não lhe recusava um olhar, procurou-o, calou-lhe as palavras colocando-lhe o dedo indicador sobre os lábios. “Psiu, não digas nada, jamais, mas mesmo jamais, nada nos afastará...sinto-te em mim, chega-me, nunca te pedi mais que isto, não terás nem deverás dar-me o que não te peço!”. A chuva começava a fazer-se sentir....de inicio, gotas esparsas mas que iam aumentando rapidamente de intensidade. Ela despertou! Não estava ali ninguém com ela... Correu a refugiar-se num dos muitos cafés da zona. Entrou pediu um café e sentou-se. Entre o aroma que o café exalava e os pensamentos que lhe convergiam sorriu. </FONT></DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633></FONT> </DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633>          Afinal continuava a conseguir entender os silêncios. Afinal, o mal não é seu! Afinal, era apenas mais um silêncio, um silêncio maior que os outros, um silêncio que precisava de mais tempo para ser escutado,nada mais!” </FONT></DIV>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE></FONT>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE>
publicado por igara às 11:47
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2006

REPTO

Ora bem, como já tinha prometido há uns tempos, voltamos a lançar um novo repto. Desta vez o tema é o "Silêncio". Peguem nas canetitas, nos deditos, no que fôr, libertem a imaginação...e escrevam-me. Terei muito prazer em vos publicar por cá. Gostamos muito de vos ler...ficamos a aguardar. Para quem ainda não sabe, o Email é igara@sapo.pt. Escrevam escrevam...nós publicamos!!!! Beijos
publicado por igara às 11:01
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Terça-feira, 24 de Janeiro de 2006

O que fazer


ter-te.jpg


O que fazer,


Quando surge vontade de escrever,


Mas as palavras teimam não aparecer?


O que fazer,


Quando temos tanta coisa para dizer,


Mas emudecemos em palavras que teimam


Em se perder....


O que fazer,


Quando o brilho que era intenso e cristalino


Perde a cor... e se esbate no destino...


O que fazer,


Quando asas se abrem mansamente,


Tentando abarcar o que é ausente...


O que fazer,


Quando o silêncio é mordaz


Cala o amor, a dor a paz....


Sim...


Alguém me diz o que fazer?

</blockquote>
publicado por igara às 17:53
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2006

Canto que me guia

nina.jpg


Canto para não chorar


E o choro que me abraça


Bem cedo despedaça


O sentir, o viver, o lutar.


Canto para não chorar


Quando as mágoas sofridas


E as dores bem sentidas


Violentam o meu pensar.


Canto para não chorar


A vida que não escolhi


Que me foi entregue a mim


Sem hipótese de me afastar.


Canto para não chorar


A emoção desesperada


De estar sozinha, abandonada


Num mundo de pesar.


Canto para alegrar


O coração que ainda bate


Que resiste que se debate


Com o dilema de amar.


 

publicado por igara às 11:14
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
|
Terça-feira, 17 de Janeiro de 2006

Apenas para ti

anjo do mar.jpg

Vou dizer-te agora,

 

Os brilhos com que te pinto

 

Vou falar-te das estrelas

 

Onde te encontro!

 

Vou falar-te do bramir manso

 

Que calam palavras que não dizes.

 

Vou falar-te do meu coração

 

Que vibra a cada sentir da Alma.

 

Vou fechar os olhos,

 

Para sentir o sabor dos teus beijos.

 

Vou alentar-te no peito

 

Com as canções onde te invento.

 

Vou gostar apenas de saber

 

Que nada haverá no mundo,

 

Que me faça sentir o meu Mar,

 

No enorme desejo sentido,

 

De apenas Te achar!!

 
publicado por igara às 14:06
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Janeiro de 2006

Alguém que conheci

Ainda me recordo como se fosse hoje. Parece que o vejo surgir ao longe trazendo às costas o peso de uma vida. Vida cansada, suada, sofrida, porém vivida com toda a força e ânimo que é possível na vida de um pescador.


- Então amigo Zé, como é que correu hoje a faina do mar? Ergueu a cabeça e fixou os olhos no vasto oceano e respondeu resignado:


- Ele há dias...a rede lá me ficou! Vou ter que trabalhar com afinco pois amanhã também é dia e a barriga não espera!- encolheu os ombros e retomou a caminhada em direcção à sua pequena cabana.


- Irei consigo! Mostre-me o que fazer, quem sabe poderei dar-lhe uma mãozinha... Olhou-me nos olhos como se estivesse a achar estranho o meu interesse repentino pelas suas lides, franziu o sobrolho e retorquiu:


- Vem lá comigo, que isto de fazer redes não é arte que se aprenda num dia.


 Chegámos perto da cabana onde existia uma pequena casa de arrumos e de lá de dentro o velho Zé fez surgir um emaranhado de fios de nailon azuis e brancos que por momentos me fizeram desejar nunca me ter oferecido para tal empreitada.


O Ti Zé lá começou enrolando os fios à volta de um pau ovalado, que segundo mais tarde me explicou, tinha sido por ele próprio talhado, em dias de malagueiro quando não podia sair ao mar. Explicou-me que os primeiros nós da rede são como os alicerces de uma casa. Deveriam ser fortes e resistentes de malha fechada por forma aos peixes não darem luta mas suficientemente grandes para o mar não a levar. Depois de dados os primeiros nós ela lá foi tomando forma e o Ti Zé lá me foi ensinando os jeitos de a tecer. Olhava-me de olhos fundos. Aquele olhar que se ganha apenas quando a vida se revela árdua. Imaginei o que pensaria de mim, como é que eu lhe surgia no pensamento. Os meus pensamentos eram entrecortados pelas indicações que ele me ia dando por olhares, ora de concordância, ora de desagrado. Por ali ficamos horas esquecidas pouco falando mas vendo surgir lentamente o ganha pão desse meu inesperado companheiro e professor das artes do mar. No final do dia, agradeceu-me, com um sorriso aberto. Não me agradeceu certamente a ajuda, uma vez que me revelei incapaz de tecer 3 nós seguidos. Penso que me agradeceu a companhia e o esforço. Deixou-me uma concha em sinal de agradecimento. De quando em vez ainda a olho.


Hoje o filho do Ti Zé, perdeu-se no Mar. As redes que tecera, não o largaram...


Hoje, coloquei a concha num fio, vou usá-la em breve, assim que a tristeza der lugar ás memórias doces desta lembrança!

publicado por igara às 14:06
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Sexta-feira, 6 de Janeiro de 2006

Ser.

dualidade.jpg


Ninguém ao certo me conhece


ou me viu passar nas lonjuras do celeste


ou nos brandos arvoredos.


E contudo...sou tão do longínquo


como da baixa ramagem.


Sou. O grito da gaivota no céu,


o silêncio morno da terra adormecida.


A boca que morde, o beijo que demora,


A mão que afaga, que dá e que tira.


Sou. A Obra e a Obreira.


A corda que amarra e o nó desfeito.


Sou. O Mel e o Fel.


Feneço aqui e ali para meu canto elevar.


Sou cruel.


Tempero a palavra amarga com sal,


alastro a ferida e te pergunto,


quase gentil, sem direito,


“como estás?”.


Tempero fogo com frio,


poção de trevas e luz.


Sou. A aurora e o olhar que a vigia.


Meu segredo, quem o adivinhou?


....Quem alcançou minha prece?


Nestes temperados contrários,


avesso, direito e adverso,


ninguém sabe quem sou...


se o espelho e a imagem,


se o choro e o riso.


Sou. A que parte e a que fica, 


a lágrima de fugida num qualquer cais.


Absurda sensação de tudo e nada reunir!!!


Assim Ser e Não Ser.


Que Ser? Serei?


Mil vezes abro a boca...e nada digo.


Nos vossos olhos semeio sorrisos


que ganho ao tempo


em troca de beijos adiados....


Neste (in)verso... me sinto doce,


como um fruto novo.


Na mor quietação da alma,


pressagio, apenas,


...saber ao que vim!


@utor: Over_the_Rainbow

</blockquote>
publicado por igara às 15:32
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. Mudei-me!!!!!

. Ora bem.....

.

.

.

.

.

.

.

.

.arquivos

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Junho 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds