Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2006

          Escutando o Silêncio


PONTE.jpg
[Error: Irreparable invalid markup ('<font <center>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]


<CENTER><IMG height=330 alt=PONTE.jpg src="http://bloguiando.blogs.sapo.pt/arquivo/PONTE.jpg" width=360 border=0> <FONT <CENTER><FONT color=#336633 size=4><STRONG><EM></EM></STRONG></FONT> </CENTER>
<DIV align=center><FONT color=#336633 size=4><EM></EM></FONT> </DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633><EM></EM></FONT> </DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633><EM>   <FONT size=4>     </FONT></EM><FONT size=4><STRONG> </STRONG></FONT><FONT size=3> Ela sempre tinha entendido os silêncios. Aprendera a entender as palavras que não se diziam. Sempre lidara com as ausências e com meias palavras, não sentindo nisso constrangimentos nem perdas. Não entendia este mau estar súbito que este silêncio lhe trazia. </FONT></FONT></DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633></FONT> </DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633>          O dia prometia chuva, o céu cerrado, fazia antever um dia húmido. Mas a necessidade de se evadir, foi maior que os receios de ser apanhada pelas fortes bátegas. Saiu, sem destino, confiando que algo a levaria a algum lado, não importava qual, nem importava como. Caminhou apenas.... </FONT></DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633>Deparou com um banco, de pedra, ladeado por buganvílias, com vista para o Tejo. Aquele era o lugar, aquele era o destino dos seus passos. Sentou-se e demorou-se na paisagem, fitou cada pessoa que passava, tentando adivinhar pensamentos, tentando discorrer sentidos. Deixou-se envolver em pensamentos mansos, sentia alguma paz, por fim! Não havia passado muito tempo, ele chegou! Chegou e sentou-se a seu lado. Ela conhecia-o bem. Sabia que o tremor que ele sentia, nada tinha a ver com o frio. Ela sabia quando ele evita olhá-la nos olhos...sentia-lhe a Alma como ninguém! Ele tentou algumas palavras: “Desculpa, nada disto devia de ser assim....nunca nos devíamos ter achado...”. Ela, que não lhe recusava um olhar, procurou-o, calou-lhe as palavras colocando-lhe o dedo indicador sobre os lábios. “Psiu, não digas nada, jamais, mas mesmo jamais, nada nos afastará...sinto-te em mim, chega-me, nunca te pedi mais que isto, não terás nem deverás dar-me o que não te peço!”. A chuva começava a fazer-se sentir....de inicio, gotas esparsas mas que iam aumentando rapidamente de intensidade. Ela despertou! Não estava ali ninguém com ela... Correu a refugiar-se num dos muitos cafés da zona. Entrou pediu um café e sentou-se. Entre o aroma que o café exalava e os pensamentos que lhe convergiam sorriu. </FONT></DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633></FONT> </DIV>
<DIV align=left><FONT color=#336633>          Afinal continuava a conseguir entender os silêncios. Afinal, o mal não é seu! Afinal, era apenas mais um silêncio, um silêncio maior que os outros, um silêncio que precisava de mais tempo para ser escutado,nada mais!” </FONT></DIV>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE></FONT>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE>
<BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE></BLOCKQUOTE>
publicado por igara às 11:47
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De Anónimo a 3 de Fevereiro de 2006 às 14:52
.....genial sentir em igual estuário de palavras....a palavra "beleza" volta a ser reinventada cada vez que escreves com a tua alma.
Lembro-me de um jardim bem perto de ti onde me sentava e cavaqueava com os meus medos, a tentar apre(e)nder a vida. Tu chegaste lá, querida amiga , quando soubeste que há apenas silêncios novos, ou uns maiores que outros.
Por este acreditar, por tudo e por nada, pelos "brilhos e tinidos" que nos sentimos, já esgotei as razões para gostar de ti (como se fosse precisa a razão para coisas que a razão desconhece...).
Obrigada pela beleza que acrescentaste ao meu dia

Dolce-Fra-Niente
(http://Dolce-Fare-Niente@sapo.pt)
(mailto:mppaiva@emfa.pt)


De Anónimo a 1 de Fevereiro de 2006 às 09:44
Este teu texto tocou-me bastante Igarita...Ás vezes não são necessárias palavras, o silêncio fala por si... Beijo grandeEssa_Miuda
(http://www.sonhadorainata.blogs.sapo.pt)
(mailto:Essa_Miuda72@hotmail.com)


De Anónimo a 28 de Janeiro de 2006 às 16:38
Amiga, a tua escrita continua excelente, elegante e sensivel. Não admira vindo de quem vem. Este tema do silêncio, que em boa hora elegeste para nos pôr este desafio, é um tema muito mais complexo do que pode parecer numa primeira análise, e não se esgota no espaço de um blog, ou mesmo de todos os blogs do mundo. Há sempre um silêncio novo a descobrir. Há sempre um silêncio novo que é preciso interpretar. O silêncio nem sempre é bom, e nem sempre é mau. O teu silêncio de hoje parece-me um silêncio dos bons, pois permitiu o desenvolvimento do sonho. E sonhar é bom e faz falta. Um beijinho silencioso.Pinochio
(http://guilhermices.blogs.sapo.pt)
(mailto:pinochio@sapo.pt)


De Anónimo a 27 de Janeiro de 2006 às 14:37
Hoje não me decidi pelo silêncio. Encontrei-te neste espaço, logo depois de nos termos encontrado. Li o texto em que falavas de mim, o que falavas de minha mãe, e resisti sempre. Hoje, quebrei o silêncio. Sempre tiveste Alma india, que vagava onde mais ninguém ia. Hoje penso-te como há muito não te pensava. Irei ter contigo ao teu email. Teremos muito que conversar. Nunca conheci ninguém, que colocasse tanta doçura numa separação, que amasse tanto o que não se vê! Por isso te digo, vou procurar-te sim. Beijo "dos que se dão às chegadas", vou encontar-te mais tarde ;)João Mário
(http://www.bloguiando.blogs.sapo.pt)
(mailto:Joaomario@sapo.pt)


De Anónimo a 27 de Janeiro de 2006 às 13:28
Bem, igara... nem sei como te dizer isto...bolas, tirando o cenário...falaste dos meus silêncios. Xiça, rapariga, mtas coisas temos nós em comum... bem...palavras para kê?? se o silênico ás vezes diz tudo?...´não preciso dizer mais nada, entenderás de certeza... (às vezes, num silêncio confessamos sentimentos q jamais ousámos ter por alguém...acho q é assim q te sentes...e eu tbem...lol.... "adoro a tu,sua tonta"A.Feiticeira
(http://misteriosnocturnos.blogs.sapo.pt/)
(mailto:A.Feiticeira@hotmail.com)


De Anónimo a 27 de Janeiro de 2006 às 13:17
//É fácil ficar distraído./
Deixar de ouvir a música,/
Ouvir apenas o ruído.//
Obrigado Igara por mais uma joia...
Beijo respeitador mas carinhoso ;)
thevlad
(http://naoha3semduas.blogs.sapo.pt)
(mailto:thevlad@sapo.pt)


De Anónimo a 27 de Janeiro de 2006 às 12:58
Bem Mana, que maravilha de texto. Tu és um espectáculo!!! Ás vezes falta-nos só um pouquinho para compreendermos melhor o silêncio, ou para escutá-lo! Beijossssssssssssssspataininiti algarvia
(http://bloguiando.blogs.sapo.pt)
(mailto:pataininiti@sapo.pt)


De Anónimo a 27 de Janeiro de 2006 às 12:03
Bem, acho que é a priemira vez que passo por aqui, mas gostei! Dei uma breve vista de olhos pelos posts anteriores e tens imagens brilhantes conjugadas com textos fabulosos.
Dou-te os meus parabéns!
Quanto ao silêncio, mesmo perdida no meio dele, conseguiste achar-te e sorrir à vida! :)
Bom Fim de Semana!Ruben[A]Mar
(http://vidasemti.blogs.sapo.pt)
(mailto:rubenandrade@netmadeira.com)


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. Mudei-me!!!!!

. Ora bem.....

.

.

.

.

.

.

.

.

.arquivos

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Junho 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds