Quinta-feira, 16 de Fevereiro de 2006

...

The Vlad.jpg
Dia de aniversário

 

Quando acordou, acordou com 40 anos. Estranha sensação aquela

de ter 40 anos e não se sentir nos 30 sequer. Parecia-lhe faltar tanto

tempo, tantas coisas, tantos sonhos por realizar, objectivos por

cumprir, etapas a vencer. Não era assim que imaginara ser, ter 40

anos. Se calhar apenas se recusava a envelhecer. Um estranho feitiço

impedia-o de envelhecer. Sentia-se como alguém que está sempre

sóbrio.

 

Como se vivesse no meio do vinho mas nunca o bebesse. Se calhar

devia beber de vez em quando. Se calhar de vez em quando devia

trocar a sobriedade pela audácia de não ficar sóbrio. Peculiar forma de

acordar aquela. De acordar e de viver. Tinha adormecido a reflectir

sobre o silêncio, ou melhor, sobre os silêncios. Chegara à conclusão que

existem muitas formas de silêncio. O silêncio absoluto, concluiu, não

existe, pelos menos em vida. Mesmo no espaço, onde à partida

poderíamos pensar que não ouviríamos nada, ouvimos sempre pelo

menos o bater do nosso coração.

 

A sua experiência de um silêncio agradável leva-o para momentos em que, na ausência de ruído, somos envolvidos por aqueles sons que normalmente são ignorados. Leva-o para uma encosta afastada de uma aldeia, onde o silêncio é o som do vento na erva dourada de uma paisagem de verão, é o som de um lagarto que nessa mesma erva se move em direcção a uma pedra onde ficará a aquecer-se, é o som dos chocalhos das vacas que não vê mas sabe que pastam num lameiro do lado oposto daquele monte, de uma abelha que passa perto com as patas carregadas de pólen, que no seu trabalho de obreira desenvolve também, sem saber, um trabalho de poeta, sendo portadora de Sonetos de Amor entre as flores e a responsável pelos frutos que daí resultam. Que maravilhoso silêncio o destes sons.

 

Mas existiam mais silêncios. O silêncio da solidão, no meio do barulho da multidão. O silêncio da ausência de respostas. O silêncio entre dois. Fixara-se mais neste último. Nunca fora dos que achavam que quando duas pessoas estão juntas o silêncio por ausência de conversa é um embaraço, que significa que já não existe nenhum tema entre eles, que se esgotou o tempo daquele encontro ou daquela relação. Sempre achou preciosos os momentos de silêncio entre dois. Momentos em que podiam disfrutar de cada um ao pormenor, onde podiam saborear o detalhe de cada expressão, de cada contorno do rosto, de cada brilho do olhar, de cada tom da face. Parecera-lhe sempre que o silêncio entre dois era mais o oposto. Quando falamos apenas para nós próprios porque gostamos de nos ouvir, quando deixamos de ouvir o que o outro diz porque já estamos fartos, quando falamos circunstancialmente e nem nós próprios nos ouvimos, quando… quando ficamos distraídos e deixamos de ouvir a música para ouvir apenas os ruídos. Esse sim era o silêncio que o assustava.

 

Mais silêncios haviam. Adormeceu a tentar fazer uma compilação de

silêncios. Peculiar forma de adormecer aquela. De adormecer e de

viver.

 

@utor: The_Vlad
publicado por igara às 16:11
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. Mudei-me!!!!!

. Ora bem.....

.

.

.

.

.

.

.

.

.arquivos

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Junho 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds